O Parto.. agora a sério!

17.11.2016

Acordei do pouco que consegui dormir com tanta ansiedade, na mesma sem contracções corri para a maternidade para ir ter com a minha obstetra a saber se já tinha mais dilatação e pronto depois do toque ouvi “A Cátia é para internar”. Chorava de dores na punani. E o Pedro também de me ver chorar. E a médica só dizia oh Cátia e Pedro isto ainda nem começou, vá vamos para a box 1. Na na na, calminha aí batas brancas, vocês não estão a perceber se é mesmo HOJE eu tenho de ir la fora fumar um cigarro e chorar até sufocar. “Eu não vou conseguir Pedro. Eu já estou a desmaiar percebes? Aiiiiiiiiiii a culpa é tuaaaaaaaaaaa tuaaaaaaa!!!!” Peguei no telemóvel e liguei à minha mãe a chorar enquanto toda a gente estava de boca aberta a ver-me na porta das urgências mascarada de barriga-super- lua a fumar. É horrível, EU SEI, mas teve de ser para me acalmar! E ninguém ousou dizer fosse o que fosse porque ali já devem saber do que uma grávida com nervos é capaz. Respirei fundo, fui ao wc olhar para o espelho e disse alto “tu consegues” e chorei outra vez porque podia enganar toda a gente menos a mim. Vá, papá vista esta bata cor-de-rosa. E com os nervos dele acabei por me rir porque parecia uma camisa de forças, estava a vestir aquilo ao contrário!!! Vá, mamã, esta é a sua batinha, esta é a vossa box, a sua cama, a poltrona do papá, o wc, e então vai querer epidural?… oh pa deixem-me!!!!!!!! Quero ir para casa!!! Vamos também colocar-lhe um cateter… Não vos estou a ouvir. Não estouuuuuuuuu! Rapidamente perceberam que eu era uma pessoa com medos. Doente da cabeça vá. Começaram então a tratar-me como uma criança, com todos os cuidados e falinhas mansas. Eis que entra a gaja da agulha. A gaja da epidural. Não se pode mexer (amiga estou petrificada de medo, claro que não me vou mexer). Ah e tal que não doi. Mentirosaaaaaaaaaas. Sim vocês! Doeu muitoooooo levar com aqueles vidros todos nas costas. Agora tem aqui este comando e sempre que clicar tem mais analgesia. Música para os meus ouvidos. Ao fim de meia hora já devia ter clicado 7657 vezes e passava a vida a beliscar as pernas para ver se não estava mesmo a sentir nada. Estava a começar a gostar daquilo. Estava quase a achar que ia ser capaz. Pronto agora vamos colocar um cateter com oxitocina para lhe provocar contracções uma vez que não tem…. Nãaaaaaaaaaao. E acabaram-se as agulhas. Nisto entra a minha melhor amiga, madrinha da Xica, de surpresa e pronto lá me acalmei. Vê-la ali comigo fez parecer que aquilo não era assim tão mau. Era como se estivéssemos no café mas sem café e podia rasgar nos enfermeiros que me tinham feito maaaaaaaaal!!!!!! As horas iam passando e contracções uuuu uuuu nadinha e comecei a hiperventilar quando me lembrei que a qualquer momento ia ser algaliada. Não queroooooooooo. E entra uma parteira daquelas que nos põe no sitio e me diz sabes há quantos anos as pessoas têm filhos??? E em casa? Ou nos montes??? Se elas conseguem você também consegue porque estamos aqui consigo. Olha-me esta cabra do monte, pensei eu… e o Pedro olhava para ela de ladeiro. Ele estava tão grávido quanto eu e por isso reagia como se as hormonas fossem explodir. Mas ela tinha razão. Algaliou-me. Rebentou-me as águas e não senti nada, nadinha, nadica. E foi aqui que percebi que realmente a epidural funcionava. Pedroooooooooo, acho que vou conseguir!!! Yeah!!! Ora bem agora puxe. Puxe bem. Puxeeeeeeeee. Que canseira, MEU DEUS. Puxe que está a puxar bem…. O truque minhas amigas é… não há maneira mais bonita para dizer isto… é fazer força para fazer cocó!!! Isso mesmo! Essa força. Abençoada pessoa aqui do estaminé que me deu essa dica um dia por mensagem privada! Puxe, puxe, puxeeeeeeeeeeeee e… nadaaaaaa! Tinha os olhos já como um coiote de tão raiados, sentia-me esgotada e ainda com medo, claro. O Pedro com aquela calma dele disse: Cátia, pronto ganhaste. Só vamos ter uma filha única porque nunca mais quero que passes por isto (Claro que no dia seguinte já dizia que não tinha dito nada disto). Nisto entra uma pessoa com uma agulha e 5 FRASCOS na mão e diz ahhh Cátia, temos aqui indicação de que gostaria de doar as células estaminais ao banco público. Vamos então fazê-lo ok? E pensava para mim, a sério que tinhas de te armar em altruísta e agora vais mamar com mais uma agulha?? A sério Cátia?? Ok, ok!!! Tinham dito que era a ultima agulha no cateter. Mentirosos!!!!!! E voltamos ao puxe… puxeeeeee… puxeeeee… mas sem contracções realmente não é fácil. Nem uma para amostra? Nem uma dor? Nadaaaaaa! Se calhar é melhor aumentarmos oxitocina e menos epidural. Ahhh isso é que era bom, o comando é MEU!!!!!! Nem pensem. E só por causa disso já vou clicar mais 56 vezes. A minha obstetra entra a dizer a outra médica “acabamos de fazer nascer um carapau, mas esta aqui é um golfinho” e diz Cátia vamos lá, chegou a hora, o bloco de cesarianas já está livre caso seja necessário, como a Xica é muito grande não queria correr o risco de não te poder levar logo para lá caso seja necessário e foi aqui, senhores ouvintes, que a coisa se deu na minha cabeça. Cesariana??? Devem estar mas é a brincar. Agora é que vão ver o que é puxar loool. Entre batas azuis, amarelas e brancas à minha volta o que parecia ser uma mera cama passou a ser um transformer cheio de truques pronto para me levar à lua. Puxeeeeee puxeeeeeee puxeeeeeeeee e…. em 10 minutos… vi a minha filha nascer. O momento em que pára tudo e nada mais importa a não ser olhar para ela. Ali estava ela a sorrir. A fazer-nos sorrir. Lembro-me de dizer ao Pedro que estava a chorar (a chorar é pouco, ele estava quase afogado) agarrado a mim “é a tua cara, igualzinha”. E não me lembro de quase mais nada porque a partir daquele momento só a Xica me importava. Tão linda. Tão perfeitinha. Tão minha. Tão nossa. O momento pele com pele. O primeiro colo. O Primeiro beijo de tantos. Ver o Pedro vesti-la pela primeira vez cheio de medo de lhe arrancar um braço, mas feliz, tão feliz. Tive tanta sorte com a equipa médica, tanta! É isto que interessa. Não é privado nem público. São as pessoas. Que sejam os melhores profissionais, mas que também tenham a parte humana que senti a cada minuto (foram tão impecáveis, deixaram também que a minha melhor amiga estivesse ali ao meu lado a chorar de alegria e a pegar na afilhada ao colo com apenas 15 minutos de vida.)
17-11-2016, 20h31, Xica com 3700kg e 50cm. Conseguiiiiiiii marados!!! Com medo. Sem dor. Não sei o que são contracções ainda. Com agulhas. Sem desmaios. Somos realmente capazes de tudo por eles. Tudo. Mas…… nunca mais lá me apanham!

Obrigada por tudo Pedro e epidural. Amo-vos!

1 comentário em “O Parto.. agora a sério!”

  1. Relembro cada palavra.. relembro cada momento.. guardarei para sempre tudo o que senti. Como único. Como especial. Como inexplicável. Obrigado Xio. Obrigado Xica. Amovos ❤

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.